24112016-img_9164

Ato denunciou Estado indiano e sua guerra contra as massas em frente ao consulado ianque, no RJ. Fotos: Ellan Lustosa/AND

Redação de AND

24112016-img_9220Militantes e ativistas de organizações populares, democráticas e revolucionárias realizaram, no fim da tarde do último dia 24 de novembro, uma manifestação internacionalista em frente ao consulado do USA, no Centro do Rio de Janeiro, exigindo a liberdade dos presos políticos da Índia. A manifestação foi convocada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo).

24112016-img_9566-2Como temos denunciado nas últimas edições de AND, hoje o velho Estado indiano mantém encarcerados milhares de presos políticos e realiza a famigerada operação “Caçada Verde”, orquestrada para combater camponeses e adivasis (povos tribais) que lutam para não serem expulsos de suas terras por mineradoras, e os membros do Partido Comunista da Índia (Maoísta), organização que dirige a justa Guerra Popular naquele país (ver AND nº 180, ‘Abaixo a Operação Caçada Verde!’).

No panfleto distribuído durante a manifestação, o Cebraspo apontava: “Na Índia mais de 10.000 supostos maoístas padecem nos cárceres, aos quais se juntam outros milhares de presos envolvidos nos movimentos de libertação nacional (Cachemira, Manipur, etc.) e outros movimentos democráticos”.

24112016-img_9333“Ademais dos dirigentes quadros e membros do Exército Guerrilheiro de Libertação Popular (EGLP), mas de 90% deste número, são aldeãos advasis que resistiram a remoção forçada, camponeses que lutaram contra os acordos de cooperação firmados entre os governos e a as empresas multinacionais para explorar ao povo e continuar o saqueio imperialista dos recursos naturais, ativistas das minorias nacionais organizados contra o crescente perigo do fascismo comunal Hindu, estudantes, intelectuais, artistas pertencentes a Frente Democrática Revolucionária (FDR) e outras organizações democráticas, acusadas de ficar do lado do povo que enfrenta a guerra que o Estado indiano desenvolver contra ele, mulheres do povo, feministas unidas para rebelar-se contra a enorme escalada de violações, cometidas em parte pelas forças armadas e da polícia, e pelos esquadrões paramilitares fascistas patrocinados pelo Estado, como arma de guerra contra o povo”, conclui.

24112016-img_950924112016-img_9415A manifestação foi realizada em frente ao consulado do USA, superpotência hegemônica única que leva guerras, rapina e destruição aos quatro cantos do planeta. O ato foi realizado nesse local exatamente para denunciar o imperialismo ianque e suas políticas genocidas e para exaltar as guerras populares e resistências anti-imperialistas que estão sendo levadas a cabo hoje no mundo.

Em seguida, os ativistas saíram em passeata pelas ruas do Centro até a Cinelândia cantando palavras de ordem, e segurando cartazes com palavras de ordem anti-imperialistas escritas em inglês. À frente da manifestação ia uma grande faixa com a frase Liberdade incondicional para os presos políticos da Índia! e uma bandeira da Palestina, simbolizando a resistência daquele povo.