No dia 4 de abril, centenas de pessoas tomaram as ruas do Centro do Rio em um protesto pela liberdade de Rafael Braga, o primeiro preso das manifestações de junho de 2013 a ser condenado pelo Estado fascista. Rafael foi preso pela PM no dia 20 de junho e acusado de porte de material explosivo. Com ele foram apreendidas duas garrafas plásticas lacradas de desinfetante, material que segundo peritos, não é inflamável.

Em liberdade condicional e trabalhando em um escritório de advocacia, Rafael foi novamente preso por PMs da UPP da Vila Cruzeiro e forjado com uma pequena quantidade de drogas. A agonia de Rafael, jovem pobre, negro e morador de favela, foi aprofundada pelo juiz Ricardo Coronha Pinheiro, que no dia 20 de abril o condenou a 11 anos de prisão e ao pagamento de uma multa de 1.687 reais.

Advogados do Instituto dos Defensores dos Direitos Humanos, o IDDH, disseram que vão recorrer da sentença.