Partidos e organizações maoístas do Equador, México, Colômbia e Bolívia promoveram, nesta última quinzena, ações em campanhas pela libertação de presos políticos democráticos e revolucionários e de boicote à farsa eleitoral. Citamos a seguir.

no-votar-pce-sr-2017No Equador, o Partido Comunista do Equador – Sol Vermelho (PCE-SV) desenvolveu uma importante campanha de boicote à farsa eleitoral durante sua realização.

A farsa, da qual saiu “vencedor” o candidato governista-oportunista Lenin Moreno (Alianza País), contou com 17% de abstenções e outros 6% de votos nulos, somando quase 3 milhões de pessoas que boicotaram o processo num país com pouco mais de 10 milhões de habitantes.

Sobre a campanha, o PCE-SR emitiu pronunciamento intitulado Arrematar a campanha por não votar, preparar a Guerra Popular!

Segundo o pronunciamento, foram realizadas “centenas de pichações em todo o país, milhares de volantes, cartazes, palestras em comunidades camponesas, desmascaramento da patranha eletiva e de seus apologistas no seio do povo e várias outras ações”.

Estabelece ainda como tarefa “não permitir que as ilusões constitucionais nos desviem das tarefas fundamentais por construir os três instrumentos da revolução e preparar as massas para a luta armada. Há que boicotar a farsa eleitoral e preparar a guerra popular”.

Maoístas mexicanos aderem às campanhas em defesa do Presidente Gonzalo e pela libertação de Saibaba

Maoístas mexicanos aderem às campanhas em defesa do Presidente Gonzalo e pela libertação de Saibaba

No México, a Corrente do Povo “Sol Rojo” ingressou à campanha internacional em defesa da vida e saúde do Presidente Gonzalo e pela libertação imediata do prof. GN Saibaba. Em 27 de março, militantes e massas exibiram, durante uma marcha, uma faixa em defesa dos mesmos.

dsc3154-1

Pichação na Colômbia

Em declaração publicada no sítio da organização, afirma-se: “Desfraldar o marxismo-leninismo-maoísmo, como terceira e superior etapa do marxismo, colocando o maoísmo à cabeça do movimento revolucionário em perspectiva do poder! […] Reforçar o internacionalismo proletário em nossas fileiras impulsionando a campanha pela defesa da vida, saúde e liberdade dos comunistas presos, como o Presidente Gonzalo no Peru e o camarada Saibaba na Índia!”.

dsc3184

Colômbia

Na Colômbia, pichações foram feitas em defesa da vida e saúde do Presidente Gonzalo e seu todopoderoso pensamento, a heroica guerra popular dirigida pelo PCP e contra os “acordos de paz” – capitulação – dos grupos armados (como as Farc) com o velho Estado colombiano.

As consignas Nem falsa paz, nem farsa eleitoral: Preparar a Guerra Popular!, Viva o maoísmo!, Eleição não, guerra popular sim!, Viva a Guerra Popular no Peru! e Viva a Guerra Popular na Índia! ficaram marcadas nos muros das universidades.

dsc3147

Colômbia

Na Bolívia, a Frente Revolucionária do Povo (Marxista-Leninista-Maoísta) pronunciou-se em adesão à campanha internacional pela defesa da vida e saúde do Presidente Gonzalo e seu todopoderoso pensamento gonzalo.

Os maoístas deste país denunciaram que o Presidente Gonzalo “não tem acesso a atenção médica como corresponde a seu estado de saúde e devido a sua avançada idade” e que, apesar da nefasta atuação dos capitulacionistas, ” a revolução não se detém porque é uma lei e uma necessidade histórica”.

“A luta do proletariado e do povo pela destruição do velho Estado e sua substituição pelo de Nova Democracia e a construção de uma sociedade socialista de forma ininterrupta até alcançar o comunismo, são tarefas que estão na ordem do dia”. “Condenamos a ação da reação, do revisionismo e do imperialismo, principalmente norte-americano, contra o povo peruano, os prisioneiros políticos e prisioneiros de guerra, e nos somamos à campanha internacional em defesa da vida do Presidente Gonzalo”, concluem.

A tradução dos comunicados foram retirados do blog serviraopovo.wordpress.com e podem ser encontrados na íntegra.