Com informações do Comitê de Apoio ao AND do Norte de Minas
Vários órgãos ambientais junto com as policias federal, militar e civil estão realizando uma mega Operação contra os camponeses pobres e médios produtores no Norte de Minas Gerais. Tomam parte da draconiana Operação 160 agentes de 15 diferentes órgãos do velho Estado.
Sob o eufemismo de “Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) na Bacia Hidrográca do rio São Francisco”, a ofensiva antipovo contra os produtores do Norte de Minas tem previsão de prosseguir até o dia 14 de julho. 

Estão envolvidos na Operação as Polícias Militar de Minas Gerais (PMMG); Polícia Rodoviária Federal (PRF-MG); Polícia Federal (PF-MG); Polícia Civil (PCMG); os Ministérios Públicos Federal (MPF), do Trabalho (MPT) e do Estado de Minas Gerais (MPMG); a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) – ligado ao Instituto Estadual de Florestas (IEF); o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-Minas); o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama);a Fundação Nacional de Saúde (Funasa); o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA); Ministério do Trabalho e Emprego (MTE); Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e Agência Nacional de Águas (ANA).

“Com o inicio da operação já demos conta de varias arbitrariedades, desde a aplicação de multas de 1 milhão de reais até prisões”, afirmam apoiadores de AND da região.

Os apoiadores denunciam ainda que: “por trás desta farsa ambiental está uma grande criminalização da produção e luta dos camponeses, além da tentativa de expulsão destes de suas terras por meio da perseguição ambiental.” E concluem: “Os pequenos e médios proprietários estão indignados e estão receosos diante da ameaça iminente de ter confiscadas as poucas terras que lhes são de direito, e que é tudo o que possuem.”