Com informações da Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Na semana em que se completou 21 anos do Massacre de Eldorados dos Carajás (PA) pelas forças policiais do velho Estado, ocorre mais um massacre de camponeses no campo brasileiro.

No dia 20/04, em Colniza, no noroeste do Mato Grosso, a 1.065 quilômetros de Cuiabá, ao menos dez camponeses foram barbaramente assassinados por pistoleiros a serviço de latifundiários locais.

No ataque, os pistoleiros fortemente armados e encapuzados, invadiram o assentamento e efetuaram disparos de arma de fogo contra os camponeses.

O número de mortos e feridos ainda é desconhecido, mas segundo informações preliminares da CPT, seriam ao menos dez mortos, incluindo crianças e idosos.

O crime ocorreu na Gleba Taquaruçu do Norte, no distrito de Guariba, no perímetro rural do município de Colniza.

A região tem um histórico de conflitos agrários, registrando outros episódios de ataques, que culminaram com o assassinato de camponeses.

Conforme investigações da Polícia Civil feitas há dois anos, os latifundiários da região comandariam um grupo de pistolagem, fortemente armado, com o intuito de expulsar os posseiros e pequenos proprietários de suas terras.

Em junho de 2004, cerca de 185 famílias do P. A. Taquaruçu do Norte foram expulsas por pistoleiros fortemente armados, que destruíram criminosamente os seus barracos e plantações. Em janeiro de 2007, o camponês Gilberto Ivo da Rocha foi assassinado e, em abril, João Pereira de Andrade e Olivar Ferreira Melo também foram assassinados. No mesmo ano, pelos menos trabalhadores sofreram torturas e foram submetidos a cárcere privado em uma fazenda da região de Colniza. Todos estes crimes teriam sido praticados pelo mesmo bando paramilitar a serviço do latifúndio.