Reproduzimos a publicação do blog ” Nuevo Peru” exigindo a libertação de Georges Abdallah e a de todos os presos políticos revolucionários no mundo, além de afirmar a necessidade de apoiar as lutas proletárias e anti-imperialistas.


 

CELEBRAÇÃO DO XXXI ANIVERSÁRIO DO DIA DA HEROICIDADE NO MUNDO:FRANÇA – PCM: PELA LIBERTAÇÃO DE GEORGES ABDALLAH E DE TODOS OS REVOLUCIONÁRIOS

 

A data deste ato para exigir a libertação de Georges Abdallah foi decidida para acontecer no dia 19 de junho, Dia Internacional dos Prisioneiros de Guerra Revolucionários. Esta data não foi escolhida à toa, coincide com o 19 de junho de 1986, onde mais de 300 políticos e prisioneiros de Guerra do Partido Comunista do Peru foram covardemente assassinados pelo Estado reacionário peruano. O Partido Comunista do Peru, pondo o Estado peruano a margem do colapso, desenvolvendo a guerra popular, se aproximou mais de tomar o Poder com o equilíbrio estratégico. Devido a sua grande vitalidade, o governo peruano tem aplicado uma verdadeira política de genocídio nos cárceres. Inclusive hoje em dia, o Presidente Gonzalo do Partido Comunista do Peru está preso, temos o dever de defender sua vida.

Cada vez mais o proletariado e os povos oprimidos que resistem e lutam, são reprimidos violentamente pelos Estados reacionários. Este é o caso dos países onde o Partido Comunista foi construído sobre as bases do marxismo-leninismo-maoísmo para, mediante a guerra popular, culminar a revolução de Nova Democracia contra o imperialismo, o capitalismo burocrático e o feudalismo. Na Índia, onde se aplica a guerra popular, há mais de 10.000 presos e prisioneiros políticos, entre eles o professor Saibaba, um intelectual progressista que tem 90% de incapacidade, e que está preso com regularidade desde 2013 pelo Estado da Índia. Nas Filipinas, mas de 500 presos políticos que servem como reféns do governo de Duterte.

Onde quer que o povo esteja se levantando a repressão não tarda: quer seja na Palestina, Turquia ou Marrocos. Aqui saudamos os palestinos presos políticos e a greve de fome vitoriosa, também gostaríamos de saudar as massas do Riff que se levantam em Marrocos e queremos honrar os doze mártires do TIKKO que caíram o ano passado. Esta repressão contra os oprimidos se estende inclusive aos refugiados políticos nos países imperialistas, como prisioneiros de ATIK detidos em 2014.

Como comunistas, nosso primeiro dever é lutar contra nosso próprio imperialismo e, portanto, fazer avançar o desenvolvimento da revolução, do movimento proletário em nosso país para golpear o imperialismo francês. Também temos a face interna da reação: o Estado imperialista francês reprime inclusive dentro da França, nos bairros que são o bastião do proletariado. Assim a polícia matou: Zied e Bouna há mais de dez anos, porém mais recentemente, há menos de um ano, Adama Traoré, Jean-Pierre Ferrara Shaoyo Liu, Angelo Garand, Curtis e a lista segue aumentando. E é durante o verão que a violência policial nos bairros explodiu. Entretanto, o governo francês se ocupa mais de cortar os direitos dos trabalhadores, como por exemplo a Lei Trabalhista do ano passado, e as ordens que Macron prepara para o verão.

Apoiar e defender os presos revolucionários e os presos políticos e apoiar as lutas que levam, serve para apoiar a revolução proletária mundial, a luta contra o imperialismo e suas intervenções militares. Fazer isto é apoiar as lutas do proletariado de todo o mundo e dos povos oprimidos.

Liberdade para Georges Abdallah! Abaixo o imperialismo francês!

Viva a luta do povo palestino! Abaixo o sionismo!

Liberdade para todos os presos revolucionários! Abaixo o sistema imperialista mundial!

Longa vida a revolução proletária mundial!