Cartaz da LCP por ocasião dos 50 anos da Resistência Camponesa de Cachoeirinha e convocando manifestação em celebração.


Nota da Redação: Em junho deste ano, completam-se 50 anos da heroica resistência camponesa de Cachoeirinha contra os ataques covardes do latifúndio em conluio com o velho Estado. Este acontecimento é um marco fundamental da luta camponesa no Norte de Minas Gerais, fazendo parte da história de heroísmo do aguerrido povo brasileiro. Como forma de celebrar e relembrar essa importante batalha pela luta pela terra no país, reproduzimos a nota divulgada pela LCP do Norte de Minas e Sul da Bahia.


Os dias 12, 13 e 14 de junho de 1967 são marcados pela brava e corajosa resistência das 212 famílias de posseiros de Cachoeirinha frente aos covardes e cruéis ataques do famigerado coronel Georgino Jorge de Souza e seu bando, sob as ordens do gerenciamento militar à serviço dos latifundiários, que ameaçava, perseguia e assassinava os camponeses pobres, destruía as plantações, queimava casas e matava as criações para expulsá-los de suas terras. Diante desses bárbaros crimes os camponeses se organizaram e resistiram o quanto puderam, famílias inteiras se embrenharam pelo mato, onde a fome combinada com um surto de sarampo tirou a vida de 62 crianças.

Os posseiros expulsos de Cachoeirinha seguiram lutando e vão retomando suas terras parte por parte até os dias de hoje, compreendendo que sua vitória será completa com o fim do sistema latifundiário.

Seu Sula, destacado dirigente daquela heroica resistência, há 50 anos. Eleito Presidente de Honra da LCP do Norte de Minas e Sul da Bahia no 8º Congresso. Faleceu em julho de 2016.

Saudamos o heroísmo e exemplo de luta das famílias camponesas por defender suas terras e sua liberdade. Saudamos a persistência no caminho da luta das famílias da Comunidade Vitória, Verde Água, Belvedere, Nova Esperança e tantas outras por retomá-las do latifúndio e devolvê-las aos camponeses pobres para produzir e viver com dignidade.

O sangue dos companheiros Antônio Manso, Juarez, Marcionílio, Martiniano e Ursino Preto corre nas veias dos que hoje seguem seu exemplo e sua luta!

Celebrar essa luta é reafirmar a justeza do caminho marcado a fogo, chumbo e sangue pelos posseiros de Cachoeirinha 50 anos atrás. É manter erguida a bandeira vermelha levantada pelos companheiros Jader e Sula, que participaram da resistência de 1967 e lutaram bravamente até o último dia de suas vidas pela destruição do latifúndio e entrega das terras a todos os camponeses pobres sem terra ou com pouca terra.

A Liga dos Camponeses Pobres convoca todos os camponeses pobres, remanescentes de quilombolas, indígenas, pequenos e médios proprietários, comerciantes, professores, estudantes, trabalhadores do campo e da cidade, aos honestos e de bem, para celebrarmos os 50 anos dessa batalha.

Companheiros Antônio Manso, Juarez, Marcionílio, Martiniano e Ursino Preto, Jader e Sula: Presentes na luta! Viva a Revolução Agrária! Morte ao Latifúndio!