Repercutimos a seguir um informe prestado pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) por conta da manifestação ocorrida em Redenção, no Pará, pela passagem dos 30 dias da Chacina de Pau D’Arco.

No sábado, dia 24/06/2017, familiares, amigos e demais camponeses fizeram uma passeata na cidade de Redenção, no sul do Pará, em protesto contra a Chacina de Pau D’Arco, que nessa data completou 1 mês. O protesto exigiu a aceleração do processo criminal, a punição dos mandantes dos assassinatos dos 10 camponeses:  Maria Inez Resplande de Carvalho, viúva do latifundiário Honorato Babinski, e seu filho, Honorato Babinski Filho, vulgo “Honoratinho”; e dos executores, os 29 policiais, agentes civis e militares, entre eles dois delegados da Deca (“Delegacia Especializada de Conflitos Agrários”) e um tenente-coronel da PM de Redenção, além dos seguranças da empresa Elmo, que também participaram da chacina. Os camponeses também exigiram a desapropriação da área, a entrega da terra para as famílias e indenização, suporte material e psicológico aos sobreviventes e familiares das vítimas.

A passeata teve inicio na sede da Liga dos Camponeses Pobres (LCP-Pará), e percorreu a Rua Santa Tereza e a Avenida Brasil indo até a sede do comando da Polícia Militar em Redenção. Depois eles se deslocaram para a sede da Polícia Federal. A passeata contou com a ativa participação dos familiares dos camponeses assassinados. Vários desses familiares estão participando da reocupação da fazenda Santa Lúcia, onde montaram acampamento junto com outros membros da Associação da Jane desde o dia 15 deste mês de junho.